A importância do controle e prevenção de Mastite Bovina

Por Amanda Jaculi - Médica Veterinária e Analista de Marketing da UCBVET Saúde Animal

A saúde e preservação dos tetos são essenciais para reduzir o risco de infecções, pois podem levar a contaminação do leite e trazer prejuízos aos animais e ao produtor.

É indispensável o cuidado com a integridade do local desde a limpeza e higienização até o manejo na hora da ordenha para que se minimize os casos de mastite. É importante que a pessoa designada para tal função esteja bem treinada e os equipamentos em bom funcionamento e sempre higienizados.

A Mastite é uma inflamação dos tetos multifatorial, e envolve diversos patógenos, além do ambiente e fatores inerentes ao animal. É de grande importância para a bovinocultura leiteira, devido aos prejuízos econômicos que ocasiona.

Tem como consequência a diminuição na produção e na qualidade do leite, maiores gastos com medicamentos e serviços veterinários, além de descarte precoce dos animais. Além disso é necessário frisar o cuidado com a saúde humana devido aos efeitos das bactérias patogênicas presentes no leite contaminado.

A conscientização do ordenhador sobre os procedimentos adequados de ordenha é indispensável, incluindo as formas corretas de higienização e desinfecção do ambiente, do animal, do profissional e de todos os utensílios utilizados na ordenha, lembrando também que após o ato, deve-se evitar que o animal deite no solo e tenha contato com os microrganismos ali presentes.

 

Mastite Clínica

Na mastite clínica ocorre o aparecimento de edemas, aumento de temperatura, endurecimento e dor na glândula mamária ou aparecimento de grumos, pus ou quaisquer alterações das características do leite. Nesse caso o produtor terá grandes prejuízos econômicos devidos a quantidade de leite a ser descartado e pelo gasto com o tratamento, e em casos mais graves perda do animal.

Mastite Subclínica

A Mastite subclínica, pode alastrar-se no rebanho, infectando outras vacas por ser silenciosa e passar despercebida pelos produtores e funcionários da propriedade. A melhor forma de comprovar a inflamação é consultando um médico veterinário para que ele possa fazer contagem de células somáticas e se estiverem elevadas pode caracterizar esse tipo de mastite não associada a sinais clínicos. Há ainda um tipo Infecção latente onde o leite permanece normal, sem aumento de células nem provas positivas, mas com a presença de agentes patogênicos.

 

Soluções UCBVET

A UCBVET conta com três antibióticos intramamários específicos para tratamento e muito eficazes, com diferentes princípios ativos e fases de aplição.

O Mastizone é elaborado com cefoperazone sódico, um antibiótico pertencente à família das cefalosporinas de terceira geração, possuindo ação bactericida sobre uma ampla variedade de germes Gram-negativos e Gram-positivos, aeróbicos e anaeróbicos, causadores de mastite.

O Mastizone Plus Lactação é uma associação de um potente antibiótico a um agente mucolítico que facilita a ação da gentamicina contra as principais bactérias, composta por antibióticos altamente eficazes.

O Mastisone V. S possui em sua formulação a Gentamicina, indicado no tratamento das mastites existentes no momento da secagem e para prevenção de novos casos de mastites durante o período seco (fora do período de lactação. Qualquer umas das três apresentações de escolha devem-se injetar o conteúdo da seringa em cada teto infeccionado e massagear suavemente o teto tratado.

Além disso temos a conhecida Ocitocina Forte UCB, que favorece a descida do leite e auxilia no tratamento e prevenção de mastite.

Procure sempre um Médico Veterinário para acompanhamento e tratamento.


Leia Também

Edema de Úbere, afeta comumente a produção leiteira
Diarreia infecciosa em bovinos, um problema comum na bovinocultura.
Febre do Leite e a importância dos minerais
Verminose Equina e a importância da vermifugação periódica