Pesquisa aponta que transparência e cuidados com os animais são cruciais para a confiança do consumidor

Portal MilkPoint - http://goo.gl/6Yr0a0 / 01/04/2016

Somente 25% dos consumidores dos Estados Unidos acreditam firmemente que a carne, o leite e os ovos que compram são derivados de animais que foram tratados da maneira adequada, de acordo com nova pesquisa do Centro para Integridade de Alimentos (CFI, sigla em inglês), que mostrou uma crescente lacuna entre os consumidores e os produtores rurais e, a necessidade dos produtores de alimentos fornecerem mais informações sobre seus esforços para manter o bem-estar animal, visando estabelecer uma confiança no sistema de alimentos. 

Em um webinário realizado na semana passada, a gerente sênior de programa do CFI, Donna Moenning, destacou as descobertas de uma pesquisa realizada em 2015 nos Estados Unidos com 2.001 consumidores e que objetivou explorar o papel da transparência na confiança dos consumidores sobre aqueles que produzem seus alimentos. Os consumidores buscam carne, ovos e leite de animais tratados com cuidado e de forma humanitária e “transparência não é mais opcional”, disse ela. Especificamente, 56% acreditam que a transparência com relação ao tratamento dos animais constrói confiança, mostrou o estudo.

Entre os seis tópicos – segurança alimentar, ética de negócios, impacto dos alimentos na saúde, bem-estar, mão de obra e direitos humanos, e impactos ambientais – as práticas de bem-estar animal estiveram entre as mais preditivas da transparência global, disse Moenning.

O CFI avaliou quatro indicadores ou atividades de transparência:

Políticas – o que a companhia deve fazer através de regulamentações, padrões;
Práticas – quais as ações da companhia e como elas demonstram valores;
Desempenho – registro do que a companhia faz e seus resultados;
Verificação – validação externa, em muitos casos por auditorias de terceiros.

Baseado no feedback dos consumidores, a maior importância foi dada para "a capacidade de ver as práticas das companhias" ou "dos produtores rurais", como vídeos que descrevam como os tratadores de animais são treinados e demonstrem que eles compartilham a preocupação dos consumidores com o bem-estar animal. 

“Uma coisa é ter uma política, mas suas práticas – especialmente práticas ilustrativas – ajudam a direcionar a confiança”, disse Moenning, enfatizando que comunicar valores compartilhados com os consumidores é mais importante do que simplesmente comunicar fatos científicos.

Quando questionados sobre onde a informação sobre bem-estar animal deveria estar disponível, 39% disseram que em sites de terceiros independentes, 35% disseram que nos sites das companhias de alimentos, 19% disseram na embalagem do alimento e o restante disse em códigos QR localizados nas embalagens.

Quando solicitados para distribuir 100 pontos referentes à responsabilidade pela informação, as companhias de alimentos receberam a maior parte (49), seguida por produtores rurais (30), lojas de varejo (11) e restaurantes (10). Moenning disse que essa distribuição demonstra a distância entre os consumidores e os produtores rurais. Os consumidores colocam mais responsabilidade nas companhias de alimentos porque as associam mais de perto com a produção de suas proteínas. 

Ela disse que as companhias de alimentos e as associações de produtores precisam unir-se em um esforço para comunicar as melhores práticas de manejo com os animais e como elas são verificadas.


Leia Também

UCBVET, 100 anos de dedicação à saúde e bem estar dos animais
Convenção de Vendas 2017
IBGE: Em relatório 2015 das proteínas, aves e suínos protagonizam recorde de abates
Novas exigências internacionais de nutrição de bovinos de corte salientam sustentabilidade na produção