Brasil avança na exportação de carne suína para México e Coréia do Sul

Portal Feed & Food - http://goo.gl/sc9Ze3 / 14/04/2016

Santa Catarina e Rio Grande do Sul são os únicos estados brasileiros livres de peste suína clássica, com certificado da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). O status sanitário é decisivo para a abertura de novos mercados, que vem tomando proporções maiores com a possibilidade de negócios com México e Coreia do Sul.

Em audiência com o governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo, a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA, Brasília/DF), Kátia Abreu, afirmou que as negociações com os dois países para venda de carne suína estão avançadas. A bancada parlamentar catarinense também participou da reunião.

“Nossa equipe está trabalhando forte para dar agilidade nos trâmites burocráticos, que são muitos”, afirmou a ministra. Ela destacou ainda que a parte mais difícil do processo de exportação já foi superada, que é negociar os requisitos sanitários e derrubar os embargos ao produto. A próxima etapa, explicou, é concluir a habilitação dos frigoríficos catarinenses interessados em exportar para o México e para a Coreia do Sul.

A exportação do produto, de acordo com o governador, ajuda a valorizar o preço da carne suína e a melhorar o retorno ao produtor local. “Coreia do Sul e México estão entre os maiores importadores de carne suína do mundo, mercados fundamentais para reequilibrar o preço para o produtor”, explica Colombo. Segundo ele, como a produção está maior em Santa Catarina, com a lei da oferta e da procura, o preço acaba caindo. Buscar mercados no exterior, principalmente compradores de grande quantidade e que pagam bem, é essencial nesse momento.

 


Leia Também

UCBVET, 100 anos de dedicação à saúde e bem estar dos animais
Convenção de Vendas 2017
IBGE: Em relatório 2015 das proteínas, aves e suínos protagonizam recorde de abates
Novas exigências internacionais de nutrição de bovinos de corte salientam sustentabilidade na produção