Novas exigências internacionais de nutrição de bovinos de corte salientam sustentabilidade na produção

Portal Feed & Food - http://goo.gl/ixFfLK / 19/04/2016

Antes denominado NRC, o relatório das Academias Nacionais de Ciências, Engenharia e Medicina dos Estados Unidos (EUA) conta com análise abrangente de pesquisas recentes sobre alimentação e nutrição de bovinos de corte. Essas recomendações são utilizadas em todo o mundo para basear e empregar seus conceitos nas produções de bovinos de corte, respeitando suas respectivas particularidades. “Os EUA são os únicos que conseguem, de uma forma organizada, fazer e atualizar todas essas revisões”, explica o gerente de Produtos da Phibro Saúde Animal (São Paulo/SP) no Brasil, Newton Teodoro. A publicação, após última atualização em 2000, volta em território nacional como um marco para a nutrição de ruminantes.

Foi durante o 8º Simpósio Internacional da companhia, realizado entre os dias 14 e 16 de março em Ribeirão Preto (SP), que os pesquisadores responsáveis pela atualização do documento apresentaram os dados a 165 especialistas da área de nutrição animal. “O nosso objetivo foi trazer informação, também com as apresentações sobre as diferenças e as realidades de países como Argentina, Brasil, México, EUA, Austrália e África do Sul, que possuem significativa representatividade no setor da carne”, pontua o diretor da Phibro, Fabio Savoldi, salientando que o documento levou 16 anos para ser atualizado devido à complexidade das análises realizadas.

Os pesquisadores dos EUA, Canadá e Brasil, todos com vasta experiência em nutrologia, apresentaram ao longo da semana os detalhes técnicos sobre o novo conteúdo. Dentre as informações contidas destacam-se a investigação sobre os níveis de aminoácidos, lipídios, minerais, vitaminas e água necessários ao crescimento e à reprodução de bovinos de corte; o resumo das pesquisas recentes sobre os sistemas energéticos utilizados na alimentação destes animais; a composição dos ingredientes de rações, suplementos e aditivos; estratégias nutricionais e de alimentação para minimizar a perda de nutrientes; o efeito da alimentação na qualidade e segurança alimentar nutricional da carne bovina, bem como novas informações sobre aditivos e futuras áreas de investigação necessária.

No último dia do simpósio, durante coletiva de imprensa, os especialistas destacaram um dos adendos ao compêndio, referente aos cuidados sobre a preservação do meio em que o animal é criado. “Estas questões estão se tornando um assunto muito discutido, principalmente quando se trata do aumento das regulamentações sobre como criamos os animais, a qualidade da água e também a preocupação nacional com liberação de amônia e gases de efeito estufa, bem como contaminantes de água”, pontua o pesquisador americano Andy Cole, complementando a pressão das indústrias sobre a certificação de que os animais estejam sendo criados de forma adequada, impondo padrões mais rígidos aos produtores.

O relatório, segundo Teodoro, é de vasta importância para a produção global, dada a sua credibilidade, baseada em estudos independentes, objetivos e apartidários. O documento tem previsão para publicação entre junho e julho deste ano.


Leia Também

UCBVET, 100 anos de dedicação à saúde e bem estar dos animais
Convenção de Vendas 2017
IBGE: Em relatório 2015 das proteínas, aves e suínos protagonizam recorde de abates
Pecuaristas de leite receberão assistência técnica com investimento federal de R$ 18,6 milhões