Altas temperaturas exigem cuidados com pets

Milagre do Verbo Agência de Comunicação / 16/10/2015

As altas temperaturas requerem cuidados com os animais domésticos. De acordo Diego Favero, médico veterinário e especialista em Produtos da UCBVET Saúde Animal, cães e gatos não suam, como os humanos, por isso, têm maiores dificuldades em diminuir a temperatura do corpo. Entre as recomendações do especialista está passear com o pet apenas em períodos do dia em que o calor é mais ameno.

“O sol forte castiga o animal, que pode sofrer fadiga, desidratação e até queimadura nos coxins, que são aquelas almofadinhas das patas. Descanso na sombra e pausas para beber água também são necessários”, diz. Para não depender de bebedouros públicos, Favero indica que o dono sempre leve um recipiente e uma garrafa com água.

Cuidado com piscinas

Ainda de acordo com o médico veterinário, quem tem piscina em casa pode deixar o pet se refrescar, desde que não seja por longos períodos e que tenha supervisão de uma pessoa, para evitar acidentes. “Também se deve ficar atento à ingestão da água, que é carregada de cloro e outras substâncias químicas prejudiciais à saúde. Após retirar o animal da piscina, o dono deve banha-lo e seca-lo bem, pois a pelagem molhada por muito tempo pode ocasionar doenças”, afirma.

Já dentro de casa, o ideal é deixar os animais à vontade. “A troca de água frequente e o acesso a espaços com sombras são importantes para o bem-estar do pet. Gatos, por exemplo, não costumam se hidratar constantemente. Um bebedouro com o líquido corrente pode ser uma boa opção para chamar a atenção deles”, conclui Favero.


Leia Também

IBGE: Em relatório 2015 das proteínas, aves e suínos protagonizam recorde de abates
Novas exigências internacionais de nutrição de bovinos de corte salientam sustentabilidade na produção
Pecuaristas de leite receberão assistência técnica com investimento federal de R$ 18,6 milhões
Brasil avança na exportação de carne suína para México e Coréia do Sul